quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Um pouquinho mais sobre tricô

Oi, pessoal! 
Voltei!

No post de hoje acho que é legal conversarmos um pouquinho mais sobre tricô, já que no ateliê ele é um dos protagonistas do nosso dia-a-dia.

Segundo o dicionário Michaelis tricô pode ser definido como: Tecido de malhas entrelaçadas, feito à mão ou à máquina. 2 Denominação dada ao tipo de trabalho em que se entrelaçam malhas. 3 O artigo produzido em malha entrelaçada. 

Ou seja, tricotar nada mais é que o entrelace dos fios!
Só com essa definição já dá para notar que o tricô é uma arte que nos faz ficar entrelaçadas, ou seja, algo que quando começa não consegue se desenrolar. A gente começa a fazer uma peça e depois quer mais desafios, e mais e mais.

Não se sabe muito ao certo de como foi que o tricô surgiu, mas peças foram encontradas no Egito, entre os séculos III e V com um técnica que é diferente do que conhecemos como tricô, chamada de Nålebinding. É uma técnica de fazer tecido, criando múltiplos nós ou laços com uma única agulha e linha.

Acredita-se, então, que esta técnica se espalhou pelo Oriente Médio e chegou à Europa e, então, disseminada pelo mundo. Mas como se sabe disso? Em diversas pinturas européias retratam até a Virgem Maria com seu tricô. Dê uma olhadinha na imagem abaixo:

Visita do Anjo - Bertram de Minden
 
Assim, o tricô começou a tomar parte da vida das pessoas, sendo utilizado para criar peças de vestimenta, sendo um ótimo aliado para combater o frio em momentos muito difíceis, como na Primeira Guerra Mundial.

A partir da década de 1950, o tricô é encontrado em peças de alta costura (Haute Couture) podendo ser encontrado nas revistas de moda. Assim, com sua popularização, passou a ser considerado também um hobbie e as meninas começaram a ter aulas de tricô nas escolas. Elas soltaram a imaginação, como eu faço aqui no ateliê, e criaram peças diferentes, tais como cobertores, bonecos e muitas outras ideias.

Já em 1980 se nota um declínio no tricô, pois foi considerado como algo antigo e fora de moda e, desta forma, as crianças passaram a deixar de ter esse tipo de aula nas escolas. Mas não fique triste com essa história, não! No século XXI, o tricô voltou à tona!

Com a produção de fibras naturais de animais, tais como a alpaca, angorá, e merino e fibras vegetais (principalmente de algodão), tornaram-se mais fácil de ser encontradas nas lojas e com um custo mais acessível. Desde então a técnica está com tudo, podendo ser vista nas passarelas, nas revistas de moda e, principalmente, na moda de rua.

Essa é a história que eu conheço. E vocês? Tem alguma curiosidade para me contar sobre essa arte maravilhosa? Me escrevam que eu publicarei aqui!

Beijos e até a próxima,
Marcia


Um comentário:

  1. Cristiane Pomeranz22 de agosto de 2011 11:18

    E a Arte sempre cumprindo seu papel! Entre tantas coisas podemos, com ela, aprender sobre a vida! viva a Arte e o Tricô!

    ResponderExcluir